Debaixo de muita chuva, Moto 1000 GP retornou a Campo Grande e agitou a torcida

No último fim de semana, Campo Grande retornou ao calendário do Moto 1000 GP, após oito anos. O Autódromo Internacional Orlando Moura, entre os dias 26 e 28 de maio, foi palco da segunda etapa da temporada 2023, reunindo mais de 100 pilotos competindo, sendo 18 deles de países como Paraguai, Argentina, Chile, Equador, Colômbia, Itália, Costa Rica, Peru e México.

A competição teve apoio do Governo de Mato Grosso do Sul, por meio da Fundesporte (Fundação de Desporto e Lazer) e Setescc (Secretaria de Estado de Turismo, Esporte, Cultura e Cidadania). O evento, homologado pela CBM (Confederação Brasileira de Motociclismo) e FIM (Federação Internacional de Motociclismo), contou com 12 corridas de cinco categorias: GP 1000, GP 600, GP 300, Yamalube R3 bLU cRU Latin América Cup e Talent, DEZERÓ Racing e o 2 Horas de Endurance. Ao longo dos três dias de eventos, foram mais de 20 horas de programação na pista da capital sul-mato-grossense.

A prova que fechou a segunda etapa da principal categoria do Moto 1000 GP (GP 1000) no início da tarde deste domingo em Campo Grande contou com dois grandes personagens: Ton Kawakami e a chuva.

O aguaceiro, que não tinha dado as caras por todo o fim de semana, concentrou-se todo no domingo, deixando o asfalto ainda mais traiçoeiro para os pilotos, que também tiveram de lidar com a visibilidade comprometida pelo spray d’água.

Uma das vítimas das condições adversas foi Alexandre Ayabe (Kawasaki/Art Aston Racing Team), que levou um tombo após passar por uma poça no último setor, mas conseguiu se recuperar e seguir na prova. Quem acompanhou a corrida pelo BandSports viu várias cenas de derrapagens espetaculares com o aumento da chuva no decorrer da disputa.

Sem problemas de visibilidade, Kawakami, que compete com uma Yamaha da PRT/AD78 Yamaha Racing, tirou vantagem da disputa pelo segundo lugar entre Gleidson Babinha (Kawasaki/Art Aston Racing Team) e Pedro Lins, piloto da Centermoto Racing, para abrir uma vantagem que seria vital para ele somente administrar até o fim, recebendo a bandeira quadriculada com pouco mais de quatro segundos de vantagem para Babinha.

Corrida muito difícil, eu nunca tinha corrido de GP 1000 na chuva e nas primeiras voltas eu não consegui encaixar muito bem e quase cai algumas vezes, mas estou muito feliz em poder voltar para casa com 25 pontos”, contou Ton.

Babinha correu sem controle de tração por um problema em sua moto mas ficou satisfeito com o resultado. Pedro Lins conquistou sua primeira vitória correndo na chuva. A ausência da prova foi o irmão de Ton, Meikon, que machucou o braço esquerdo no tombo do sábado (27) e ficou de fora do complemento da etapa.

Debaixo de uma chuva chata que começou a cair bem na hora da largada da corrida deste domingo (28) no Moto 1000 GP em Campo Grande, Kaká Fumaça fechou um fim de semana 100% na 600 GP, com duas vitórias e a liderança absoluta do campeonato, com vantagem de X pontos de vantagem para o segundo colocado.

O triunfo veio após um belo duelo com Pedro Valiente, com quem alternou posições nas últimas duas voltas e levou a melhor após uma última tentativa do rival na volta final, que tentou aproveitar a referência do líder no traçado molhado, mas não teve sucesso. Valiente ficou com a melhor volta da corrida.

“Foi minha primeira prova de GP 600 andando na chuva, não fiz o warmup e aprendi ali na corrida, estou muito feliz. Foi uma corrida de superação e aproveitar as oportunidades”, contou Kaká após a premiação.

A terceira posição ficou nas mãos de Marcos Kawasaki, que também se sagrou vencedor da divisão Light, logo à frente de Magson Japinha, o quarto colocado, melhor piloto da classe Master.

GP 300: Fascineli domina prova marcada pela forte chuva

Os pilotos da GP 300 enfrentaram neste domingo um dos maiores desafios da temporada 2023 em Campo Grande (MS), correndo com a pista na pior condição de chuva de todo o domingo (28).

A água, que começou a cair junto com a abertura da programação do dia no Moto 1000 GP, não deu trégua: pelo contrário, só aumentou com o passar das corridas. Mas isso não impediu os pilotos de darem um espetáculo no autódromo sul-mato-grossense.

Largando da pole position, João Fascineli (Fascineli Racing) fez uso de sua posição, aproveitou a pista limpa e a boa visibilidade para sustentar a ponta e vencer com uma pequena vantagem para Enzo Calgarotto, ambos bem à frente do terceiro colocado, Gustavo Viana. Na Master, a vitória ficou com Elton Coe, da GT Racing Team, o quarto no geral. Sérgio Garcia foi o quinto. Os cinco primeiro correm de Kawasaki.

A terceira etapa do Moto 1000 GP será entre os dias 14 e 16 de julho, no Autódromo Potenza, em Lima Duarte (MG). Após a prova em Lima Duarte, a temporada 2023 contará ainda com disputas em Cascavel (PR), Curvelo (MG) e Goiânia (GO).

Comunicação Fundesporte, com informações da Grelak Comunicação

Fotos: Moto 1000 GP/Grelak Comunicação

VÍDEO
PUBLICIDADE
COLUNISTAS
PREVISÃO DO TEMPO
Campo Grande
14°C
82% 100% 5m/s 160deg
PUBLICIDADE​
APOIO
ÚLTIMAS