Enviar bombas à Ucrânia foi uma “decisão difícil”, diz Biden

Presidente afirmou que munições de fragmentação serão enviadas a Kiev até que produção de projéteis 155 mm aumentem

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, disse que enviar bombas de fragmentação à Ucrânia“foi uma decisão difícil”, mas que acabou cedendo porque Kiev “precisa” das munições.

Em entrevista à CNN, Biden afirmou que enviará munições de fragmentação a Kiev até que produção de projéteis 155 mm aumentem. “Esta é uma guerra relacionada a munições. E eles estão ficando sem munição, e estamos com pouca munição”, disse Biden.

Mais de 100 países, incluindo Reino Unido, França e Alemanha, proibiram o uso de munições com a Convenção sobre Munições Cluster. Os EUA e a Ucrânia não são signatários da proibição.

Biden irá para Europa neste domingo (9.jul) e participará de uma cúpula da Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte). O principal tema que deve ser tratado na viagem é o ingresso na Ucrânia na aliança militar.

“Não acho que haja unanimidade na Otan sobre trazer ou não a Ucrânia para a família da Otan agora, neste momento, no meio de uma guerra”, disse Biden.

O conselheiro de Segurança Nacional dos EUA, Jake Sullivan, confirmou na 6ª feira (7.jul.2023) que os Estados Unidos enviarão bombas de fragmentação à Ucrânia. Os armamentos também são chamados de munições cluster ou bombas cluster.

A medida faz parte de um novo pacote norte-americano de assistência militar. A jornalistas, Sullivan afirmou que a Rússia usa bombas cluster desde o início da guerra para atacar a Ucrânia e que o pedido do país europeu se deu para que eles pudessem defender seu território.

VÍDEO
PUBLICIDADE
COLUNISTAS
PREVISÃO DO TEMPO
Campo Grande
28°C
34% 0% 4m/s 10deg
PUBLICIDADE​
APOIO
ÚLTIMAS