ESPECIAL: Como Lionel Messi transformou o Inter Miami em uma marca global

Os maiores craques do futebol mundial carregam consigo uma legião de fãs e uma grande influência sobre os amantes do esporte. Com Lionel Messi, considerado por alguns o melhor jogador de todos os tempos, não poderia ser diferente. No Inter Miami, o argentino deu uma comprovação de sua grandeza sendo o gatilho para a globalização do clube.

Messi passou grande parte de sua carreira profissional atuando pelo Barcelona, de 2003 a 2021. Depois de uma saída inesperada, mudou-se para o futebol francês, para atuar pelo Paris Saint-Germain, e, dois anos depois, seguiu caminho para os Estados Unidos.

No Inter Miami, o argentino levou não só a habilidade que lhe rendeu sete Bolas de Ouro, mas também torcedores de todo o mundo, que, em sua maioria, nunca sequer haviam ouvido falar sobre a existência do clube.

A partir da visibilidade ofertada pelo argentino, a equipe, que pertence ao ex-jogador inglês David Beckham, teve sua marca globalizada, fechou novos contratos de patrocínio e observou uma explosão de desempenho nas redes sociais.

Messi precisou de apenas uma temporada para mudar os parâmetros da MLS e do Inter Miami. Mesmo chegando no meio do ano, o craque argentino encerrou 2023 como o dono da camisa mais vendida da liga, com o resultado anunciado três meses depois do anúncio de sua contratação. Don Garber, comissário da liga, chegou a afirmar que a camisa número 10 do time de futebol de Miami foi a mais vendida da Adidas entre todos os esportes.

Nas redes sociais, o impacto também foi gigante. Nas principais plataformas (Instagram, X, Facebook e TikTok), o Inter Miami somava 2,4 milhões de seguidores antes da chegada de Messi, segundo um relatório divulgado pela Statista, plataforma alemã especializada em coleta e visualização de dados. Atualmente, o número é quase 14 vezes maior, ultrapassando os 33 milhões.

Em relação à audiência, os registros também foram altos. Segundo o Sports Business Journal (SBJ), o MLS League Pass, serviço da Apple TV em que os jogos da liga são transmitidos, terminou 2023 com 2 milhões de assinantes. Antes da estreia de Messi, menos de 1 milhão de pessoas assinavam a plataforma.

A presença de público nos jogos do Inter Miami também seguiu a tendência. Todos os ingressos para os jogos da equipe na temporada 2024 se esgotaram poucas semanas depois do final da edição do ano passado da MLS.

O apelo causado pela presença do campeão mundial também possibilitou ao Inter Miami, como estratégia de globalização de sua marca, realizar a primeira turnê internacional de sua história. Antes do início da temporada 2024, a equipe disputou amistosos na Ásia, com passagens por Arábia Saudita, Hong Kong e Japão.

O aumento na visibilidade da equipe norte-americana teve como uma de suas consequências a chegada de novos patrocinadores. A Royal Caribbean, empresa de cruzeiros, passou a ocupar o espaço máster do uniforme na temporada 2024 e a contar com Messi como garoto-propaganda do seu novo navio.

O Inter Miami também assinou com a Visa, gigante das tecnologias de pagamento. O acordo global foi o primeiro da empresa com um clube da MLS e envolve a ativação da marca da equipe ao redor do mundo.

Entre as novas parcerias, diversas estão ligadas diretamente à influência do argentino. É o caso da Trapiche, produtora argentina de vinhos, anunciada como a “vinícola oficial do clube”. Para se ter uma ideia, alguns aportes chegam até mesmo a possuir cláusulas relacionadas ao jogador.

Os acordos também são responsáveis por potencializar a globalização do clube. Isso porque consumidores destas marcas globais podem passar a conhecer o “time do Messi” a partir das parcerias.

O aumento no número de patrocínios, vendas de camisas e ingressos, entre outros, levou o Inter Miami para um patamar financeiro nunca antes alcançado pelo clube.

Em 2022, sem sequer sonhar com a vinda de Messi, a equipe encerrou a temporada com uma receita de US$ 50 milhões. No ano seguinte, em que contou com o argentino apenas a partir de junho, viu sua receita mais do que duplicar, para aproximadamente US$ 125 milhões.

Na primeira temporada completa de seu camisa 10, a expectativa é mais um salto nos rendimentos. Em 2024, o Inter Miami espera arrecadar US$ 200 milhões, o que o tornaria o clube com a maior receita da MLS. Se confirmado, o resultado seria quatro vezes melhor que o alcançado há apenas dois anos.

A presença de Messi também foi capaz de influenciar a ida de outros nomes aclamados do futebol mundial para a MLS. Com a presença do craque argentino, nomes prestigiados, mas próximos das aposentadorias e com pouco espaço no futebol europeu, optaram por se transferir para o Inter Miami.

O volante Sergio Busquets, o lateral-esquerdo Jordi Alba e, mais recentemente, o atacante Luis Suárez, que dividiram os vestiários com Messi no Barcelona, seguiram os passos do argentino para o clube norte-americano. Todos passaram a ser comandados por Gerardo “Tata” Martino, treinador que também trabalhou com Messi no Barça e foi anunciado pouco depois do camisa 10.

Com isso, o Inter Miami teve sua visibilidade impulsionada ainda mais. A equipe, que lutou contra a lanterna na temporada 2023 da MLS, passou a contar com um time cheio de estrelas, as quais ainda evocam a nostalgia do fã de futebol, que por anos assistiu e admirou estes atletas brilharem juntos na Espanha.

Mais do que visibilidade, os contratados também estão gerando resultados esportivos. Depois de terminar a última temporada na penúltima colocação da liga, o Inter Miami é atualmente o líder da Conferência Leste da MLS, com 31 pontos em 15 jogos.

Os impactos da contratação de Messi não se restringem apenas ao Inter Miami. Após o anúncio do craque, o Bureau de Convenções e Visitantes da Grande Miami produziu uma análise da influência que ele poderia ter no turismo da cidade e previu um aumento de 10% na quantidade de turistas nos meses seguintes.

Como pontuado pela organização, apesar de não ser o único fator para o aumento observado, a presença de Messi é apontada como um dos grandes motivos para o crescimento. 

Conforme divulgado pela plataforma especializada El Míster, a cidade apresentou um crescimento no número de turistas no segundo semestre de 2023, algo que vai contra as tendências do local.

O porto de Miami teve 3,4 milhões de visitantes entre julho e dezembro de 2023, um aumento de 13% em relação ao registrado no mesmo período do ano anterior. O aeroporto da cidade, por sua vez, recebeu 12,9 milhões de chegadas nos últimos seis meses do ano, o que representa um crescimento de 1,5% em relação à primeira metade.

*Estagiário da Máquina do Esporte, sob supervisão de Wagner Giannella

Fonte

VÍDEO
PUBLICIDADE
COLUNISTAS
PREVISÃO DO TEMPO
Campo Grande
28°C
42% 0% 5m/s 360deg
PUBLICIDADE​
APOIO
ÚLTIMAS