Indústria deve abrir 540 mil novas vagas de emprego até 2025

A indústria deve abrir 540 mil novas vagas de emprego até 2025. A estimativa, divulgada pela Confederação Nacional da Indústria (CNI), prevê salários entre R$ 1,8 mil e R$ 6,6 mil. Segundo a projeção, construção civil, logística e transporte e geração de energia são os setores responsáveis pelos novos postos de trabalho. O gerente-executivo do Núcleo de Inteligência e Análise de Dados da CNI, Marcio Guerra, destaca a importância dos quatro setores.

“São setores dinâmicos, que tiveram uma rápida recuperação pós-Covid, respondem por um grande volume de vagas, são vetores da descarbonização da economia e altamente impactados pela digitalização dos processos produtivos”, afirma.

Responsável pela maior fatia, a construção civil responde por 265 mil novas vagas. O vice-presidente do Sindicato da Indústria da Construção Civil do Distrito Federal (Sinduscon-DF), João Accioly, entende que a economia brasileira conseguiu atingir um certo grau de estabilidade. Para ele, a esperada redução na Selic — taxa básica de juros, atualmente em 13,75% — vai gerar um reaquecimento no mercado, especialmente na indústria.

“O mercado imobiliário, a gente está com a expectativa de que deve melhorar a partir de agora no segundo semestre. E ele melhorando, naturalmente aquecendo, vai ter mais demanda por mão de obra, por mão de obra de todo tipo. Mas uma questão que foi muito bem colocada pela CNI: a gente vai exigir cada vez mais mão de obra um pouco mais qualificada no nosso segmento. De uma forma geral, buscamos qualificar mais o nosso pessoal, nossa mão de obra”, afirma.

De acordo com a estimativa da CNI, quem busca emprego e também os trabalhadores que já atuam na área vão precisar buscar qualificação. A estimativa mostra que mais de 1,5 milhão de profissionais dos quatro segmentos vão precisar se atualizar. Na construção civil, 585 mil pessoas já inseridas no mercado de trabalho terão necessidade de formação complementar entre 2023 e 2025.

Qualificação profissional

Accioly afirma que o Sinduscon tem investido em centros de treinamento específicos para essa qualificação, em parceria com associações e entidades, como o SENAI. Ele explica que a ideia é dar maior especificidade para a complementação profissional, de modo que as empresas possam indicar quais áreas precisam de qualificação. Como é o caso da demanda por pintores.

“A gente pensa em fazer parcerias com o próprio Senai e outras instituições de ensino, para as empresas atuarem mais diretamente, especificando o que exatamente estamos precisando, que tipo de conhecimento que a gente sente falta ou de domínio de informações e de qualificação que estamos demandando do nosso funcionário para ganhar em produtividade, para que eles ganhem também um salário melhor e todo o mercado ganha com isso”, pontua.

O deputado federal Mendonça Filho (União-PE) é membro da Frente Parlamentar pelo Brasil Competitivo. Ele destaca a importância da recuperação da economia com a geração de empregos no setor industrial. O deputado defende avanços na educação para maior qualificação profissional.

“E evidentemente que isso também reforça a necessidade de nós avançarmos na pauta educacional, vinculada à educação técnica profissionalizante e a reforma do ensino médio, que eu tive a oportunidade de liderar a sua implementação como ministro da Educação, nos leva justamente a esse caminho, que é uma educação que qualifique cada vez mais o jovem para o mundo do trabalho, que em termos concretos significa melhor renda e maior empregabilidade”, afirma.

Fonte: Brasil 61

VÍDEO
PUBLICIDADE
COLUNISTAS
PREVISÃO DO TEMPO
Campo Grande
10°C
87% 100% 4m/s 140deg
PUBLICIDADE​
APOIO
ÚLTIMAS