O que é ser rico e SUPER RICO no Brasil? Estudo traz dados reveladores

Estudo inédito mostra discrepância da Pnad Contínua com relação ao que é ser rico e super rico no Brasil. Veja os números e se surpreenda

Uma pesquisa inédita realizada pelo Centro de Políticas Sociais da Fundação Getulio Vargas (FGV Social) traz dados reveladores sobre a riqueza no Brasil, focando nos 1%, 0,1% e 0,01% mais ricos do país. Em outras palavras, isso quer dizer quem é rico e super rico no Brasil, com dados da Receita Federal.

Leia também: Tem Brasil no meio? Daqui a 50 anos, ESTES serão os países mais ricos do mundo

Os resultados indicam um retrato mais realista da situação dessas parcelas abastadas da população, revelando que os valores previamente estimados eram subestimados. De acordo com a pesquisa, o 1% mais rico tem renda média pessoal de R$ 27 mil, enquanto 0,1% ganha acima de R$ 95 mil por mês. Já o grupo restrito de 0,01% dos brasileiros mais ricos possui um patrimônio estratosférico de R$ 151,5 milhões por pessoa.

Esses números foram possíveis graças à união da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio Contínua (Pnad Contínua) com os dados do Imposto de Renda das Pessoas Físicas (IRPF).

O estudo revelou que metade do patrimônio desses grupos de ricos é composto por imóveis, enquanto a outra metade inclui carros, ações e outros ativos. No entanto, obter informações detalhadas sobre os mais ricos não é tarefa fácil, pois as entrevistas realizadas pelo IBGE esbarram em limitações para alcançar as classes mais altas da população.

Grupo rico e super rico está concentrado

“Considerando os dados mais recentes do Censo Demográfico de 2022, divulgados no fim de junho pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o 1% da população representa pouco mais de 2 milhões de pessoas”, diz o coordenador da pesquisa, Marcelo Neri. “E o 0,1% equivale a 203 mil pessoas, o suficiente para lotar o Maracanã nos áureos tempos do estádio (hoje, esse limite é de cerca de 80 mil torcedores)”, pontua.

A pesquisa também mostrou a concentração dos ricos em diferentes regiões do país. Entre as unidades federativas, a maior renda média geral foi encontrada no Distrito Federal, com R$ 3,7 mil, enquanto o maior patrimônio líquido médio por pessoa, de R$ 411,4 mil, foi em São Paulo. Tratam-se da unidade onde está a capital do país, bastante influenciada pela política e funcionalismo público, e do estado com a capital mais populosa da América do Sul, respectivamente.

No caso das capitais, Florianópolis (SC) registrou a renda média mais alta do país, com R$ 4,2 mil e a capital paulista o maior patrimônio médio, de R$ 698 mil.

Esses dados fazem parte de um desdobramento da pesquisa “O Mapa da Riqueza”, anteriormente divulgada em fevereiro pelo FGV Social, que revelou a grande desigualdade social no Brasil e o impacto negativo da pandemia na renda da classe média.

Com a utilização do IRPF, os pesquisadores puderam obter informações mais precisas sobre a riqueza dessas elites econômicas, proporcionando um panorama mais claro e realista da situação dos ricos e super ricos no país. Antes do estudo inédito, os valores considerados eram os da Pnad Contínua, do IBGE, que trazia renda média pessoal de R$ 16 mil para o grupo 1% mais rico e de R$ 31 mil para o núcleo 0,1% mais rico. Como visto, os valores estavam defasados.

 

Fonte: Edital concursos Brasil

 

VÍDEO
PUBLICIDADE
COLUNISTAS
PREVISÃO DO TEMPO
Campo Grande
17°C
67% 75% 5m/s 160deg
PUBLICIDADE​
APOIO
ÚLTIMAS