Peixe em extinção reproduz de forma inédita no Bioparque Pantanal

O Cascudo-viola, de nome científico, Loricaria coximensis é uma espécie de peixe classificada como criticamente em perigo de extinção pela plataforma Salve do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio). No Bioparque Pantanal, a espécie reproduzida em cativeiro de forma inédita no mundo em Mato Grosso do Sul, habita o tanque Ressurgências e Riachos de Cabeceira.

Com apenas 9,6 centímetros de comprimento, o pequeno peixe ocorre no Rio Coxim, região norte do Estado, em uma área de hidrelétrica. No complexo de água doce, os visitantes têm a oportunidade de conhecer a espécie de perto e, principalmente, entender a importância da conservação por meio da educação ambiental, um dos importantes pilares do empreendimento.

Diretora-geral do Bioparque Pantanal, Maria Fernanda Balestieri pontuou a importância do papel do empreendimento, hoje consolidado como turi-científico, pelo trabalho realizado, resultados alcançados e por contar com 168 tanques direcionados à pesquisa, conservação, bioeconomia e sustentabilidade.

“No Bioparque Pantanal seguimos o conceito moderno de Aquários e zoológicos e cada um dos pilares que sustentam as ações e projetos aqui realizados possuem vinculação aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) e alinhamento com os eixos do plano de Governo do Estado. Aqui, o papel dos nossos animais vai muito além da contemplação, sendo eles os protagonistas de um trabalho técnico científico de excelência voltado à conservação de espécies e manutenção do equilíbrio do nosso ecossistema. Contribuímos para que as presentes e futuras gerações possam desfrutar das riquezas da nossa biodiversidade.

A responsável pelo empreendimento ainda ressaltou o trabalho realizado no Centro de Conservação de Peixes Neotropicais (CCPN), espaço que integra o complexo, onde são criados protocolos de reprodução, com atenção especial as ameaçadas ou com potencial ameaça de extinção. “Contamos com mais de 250 reproduções, de 46 espécies distintas, dentre as quais 12 registros são inéditos para a ciência no mundo e nove no Brasil. Vibramos com cada vida que pulsa aqui no Bioparque e nos orgulhamos de estarmos cumprindo nosso propósito”.

Para o biólogo curador do Bioparque, Heriberto Gimênes Junior, a reprodução da espécie contribuirá para estudar a conservação e preservação do animal. “O fato de termos esse animal ameaçado de extinção dentro do nosso plantel, nos possibilita entender a biologia dele, hoje ele é nosso modelo de protocolo de reprodução que usamos para outras espécies de cascudo, uma ferramenta muito importante para a conservação das espécies, não só do Cascudo-viola, como espécies de todo o país”.

Secretário de Governo e Gestão Estratégica, Pedro Caravina, salientou que o Bioparque além da sua importância turística, se destaca como um grande aliado da preservação ambiental. “Prova disso, são as inúmeras reproduções registradas dentro do complexo, garantindo, por exemplo, que espécies em risco de extinção, como o caso cascudo-viola, se reproduza e não seja extinto da natureza”.



Fonte

VÍDEO
PUBLICIDADE
COLUNISTAS
PREVISÃO DO TEMPO
Campo Grande
20°C
52% 0% 5m/s 70deg
PUBLICIDADE​
APOIO
ÚLTIMAS