Pelo 2º ano, MS tem maior taxa nacional de suicídios entre policiais

No ano de 2021, o Estado manteve a liderança junto a Pernambuco, Sergipe e Rio Grande do Sul

Mato Grosso do Sul teve a maior taxa de suicídios entre policiais militares e civis no Brasil em 2022, conforme pesquisa divulgada nesta quinta-feira (20) pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública. Em 2021, o Estado se manteve empatado com Pernambuco, Sergipe e Rio Grande do Sul.

Apesar dos números de casos serem baixos, 3 em 2021 e 4 em 2022, a taxa do Estado variou de 0,4 para 0,6 de um ano para o outro. Grandes metrópoles como o Rio de Janeiro e São Paulo tiveram valores muito menores, tendo o estado carioca variações de 0,3 para 0,1, enquanto o paulista manteve a taxa de 0,2 nos dois anos da pesquisa.

Quando olhamos somente para o Centro-Oeste brasileiro, percebemos que a maior variação aconteceu no estado de Goiás (100%), Mato Grosso do Sul vem seguida (33,3%). Já o Distrito Federal e Mato Grosso não tiveram nenhuma variação.

Oito estados tiveram quedas em suas variações, sendo eles: Amazonas (-50%), Maranhão (-33,3%), Paraíba (-50%), Pernambuco (-12,5%), Rio de Janeiro (-60%), Rio Grande do Sul (-33,3%), Santa Catarina (-25%) e São Paulo (-20,8%). As quedas foram refletidas na média nacional, que também mostrou uma leve queda de -18,8%.

Em números, a morte de policiais por suicídio é a segunda causa que mais mata os servidores. Em 2022, foram registrados 173 assassinatos de policiais e 82 suicídios. O relatório afirma que neste ano encontraram muita ausência de dados referente a esse assunto. “Certo é que, se o problema não aparece em números, ele não existe. E se o problema não existe, desnecessária qualquer intervenção”, diz trecho.

Algumas questões também foram levantadas sobre as possíveis causas para esses acontecimentos. São elas o assédio moral, a admissão do papel de “policial herói”, o desgaste físico e mental em razão do contato continuado com situações de perigo, a cobrança institucional pelo cumprimento de metas, o endividamento e a insegurança jurídica.

Redução – Dados da OMS (Organização Mundial da Saúde) mostram que a taxa global de suicídios vem reduzindo. No período dos anos de 2000 a 2019, houve uma queda mundial de 36%. Já nas Américas, houve um aumento de 17%, sendo a quarta causa de morte mais recorrente entre jovens de 15 e 29 anos.

Entre 2021 e 2022, é possível observar uma queda na variação do número de suicídio na população geral. A redução vem ocorrendo no Amapá, Amazonas, Ceará, Mato Grosso do Sul, Pernambuco, Rondônia e Tocantins. Sendo a maior diminuição registrada em MS (-11,9%), que quase empatou com Tocantins (-11,8%).

Os menores números foram registrados em três estados da região Norte do Brasil, neles as ocorrências não chegaram a completar 80 casos. No Centro-Oeste, suicídios aconteceram entre 193 a 735 vezes nos últimos dois anos.

Neste ano de 2023, o site da Sejusp registrou no Estado 80 casos de suicídio. Desses, 23 aconteceram na Capital; 57 em cidades do interior, sendo que 42 ocorreram na faixa da fronteira.

Os meses de janeiro e março tiveram os picos mais altos (15), logo em seguida estão os meses de fevereiro e julho (11). Abril e maio tiveram 10 ocorrências, enquanto junho ficou com o menor número de suicídios (8).

Ajuda – Em Mato Grosso do Sul, o GAV – Grupo Amor Vida presta apoio emocional na prevenção do suicídio. Ligue sempre que precisar. O telefone é 0800-750-5554 (a ligação é gratuita).

VÍDEO
PUBLICIDADE
COLUNISTAS
PREVISÃO DO TEMPO
Campo Grande
29°C
37% 0% 5m/s 60deg
PUBLICIDADE​
APOIO
ÚLTIMAS