PF diz que vídeo de Moraes em aeroporto foi editado; defesa nega

Gravação foi entregue na 4ª feira (19/07) e, segundo a defesa, mostra o ministro xingando um dos suspeitos de “bandido”

A Polícia Federal enviou um ofício nesta 5ª feira (20.jul.2023) ao advogado Ralph Tórtima, responsável pela defesa do trio suspeito de hostilizar o ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) e presidente do TSE (Tribunal Superior Eleitoral) Alexandre de Moraes, dizendo que o vídeo entregue na 4ª (19.jul) foi editado. A corporação pediu a íntegra da gravação feita por Alex Zanatta.

Em nota, Tórtima afirmou que o vídeo foi fornecido na íntegra. A gravação teria começado depois de Moraes sair da área VIP do Aeroporto Internacional de Roma (Itália) e ter começado a fotografar o casal Roberto e Andreia Mantovani e Zanatta.

Em entrevista ao Poder360 nesta 5ª (20.jul), Tórtima disse que o vídeo tem cerca de 10 segundos. O material, gravado na posição vertical, teria registrado o momento em que o ministro teria chamado Zanatta de “bandido”. 

O advogado criticou o fato de o ministro do STF e de seu filho, Alexandre Barci Moraes, ainda não terem prestado depoimento à PF (Polícia Federal) sobre o episódio.

Entenda a cronologia narrada pelo advogado Ralph Tórtima ao Poder360, de acordo com a versão dos acusados:

  • O casal Mantovani e Zanatta desembarcaram de um voo e foram até a sala VIP do Aeroporto Internacional de Roma (Itália). Neste momento, a defesa relatou que eles ainda não tinham visto Alexandre de Moraes;
  • Ao passar pela entrada da sala VIP, Roberto viu o ministro entrando no local reservado e avisou a família;
  • Os suspeitos tentaram entrar na sala VIP, mas foram informados que estava lotada. Andreia foi até a recepção e criticou o fato de não poder entrar;
  • Nesse momento, segundo o advogado dos suspeitos, o filho de Moraes, Alexandre Barci, teria feito “ofensas” à Andreia;
  • Por causa das supostas ofensas do filho do ministro à mulher, Roberto Mantovani teria afastado Alexandre Barci com o braço. A defesa não soube dizer se houve um tapa ou se o suspeito empurrou o filho do ministro. 
  • O filho de Moraes teria perguntado se o empresário queria “briga”. Roberto respondeu que “não”;
  • Depois das críticas, o casal Mantovani e Zanatta foram até outra sala VIP do aeroporto, mas também não conseguiram entrar. Por isso, retornaram ao local no qual Moraes estava;
  • Ao chegar de volta à sala, o filho de Moraes teria voltado a proferir ofensas a Andreia. A situação teria sido acalmada por outras pessoas que estavam no local;
  • Moraes teria tirado seu filho da sala VIP e conversado com ele reservadamente. Em seguida, o próprio ministro teria tirado fotografias dos suspeitos e dito que eles seriam identificados ao chegar ao Brasil;
  • Zanatta teria começado a gravar o ministro e questionado se a declaração seria uma ameaça. Nesse momento, Moraes teria chamado o genro do casal Mantovani de “bandido”.
  • Moraes e seu filho voltaram para a sala depois do desentendimento.

ABORDAGEM NO BRASIL

Em entrevista ao Poder360, o advogado disse que os 3 suspeitos foram abordados e interrogados pela PF assim que desembarcaram no Brasil, no sábado (15.jul), às 5h30. Disse que os suspeitos foram comunicados que teriam de se manifestar sobre o episódio, mas que não foram advertidos dos trâmites processuais iniciais (direito ao silêncio e direito de defesa).

“Foram abordados, filmados e fotografados assim que saíram do avião e submetidos a um interrogatório absolutamente contrário àquilo que se espera e àquilo que está previsto em lei”, disse Tórtima. 

Trecho da decisão da presidente do STF, Rosa Weber, que autorizou a busca e apreensão, informa que, após a chegada no Aeroporto Internacional de Guarulhos (SP), o trio foi abordado por uma equipe de policiais federais. Os agentes solicitaram ao grupo que acompanhasse a equipe à Delegacia da Polícia Federal no aeroporto para prestar declarações. O trio, no entanto, não quis acompanhar os policiais. “Diante da impossibilidade de condução coercitiva”, o grupo foi liberado.

O CASO

Moraes retornava de uma palestra no Fórum Internacional de Direito, realizado na Universidade de Siena, quando foi hostilizado pelo grupo, segundo a PF.

Os suspeitos teriam xingado o ministro de “bandido, comunista e comprado”. Roberto Mantovani teria inclusive agredido fisicamente o filho de Moraes com um golpe no rosto, quando ele interveio na discussão em defesa do pai.

Roberto Mantovani, Andreia Mantovani e Alex Zanatta desembarcaram na manhã de sábado (15.jul) no aeroporto de Guarulhos, em São Paulo. Agentes da PF estiveram no local no momento do desembarque. A corporação apura se houve crime contra honra e ameaça.

VÍDEO
PUBLICIDADE
COLUNISTAS
PREVISÃO DO TEMPO
Campo Grande
11°C
82% 100% 4m/s 140deg
PUBLICIDADE​
APOIO
ÚLTIMAS