Transplantes salvam vidas, mas só ocorrem após doação de órgãos autorizada por famílias

Para ser um doador de órgãos e tecidos basta comunicar a família sobre esse desejo. Em Mato Grosso do Sul, 406 pessoas aguardam pelo transplante de córneas e 171 pacientes por rim.

No Estado são realizados transplante de rim e de tecido músculo-esquelético (que inclui medula óssea) apenas em Campo Grande, e de córnea é feito na Capital e em Dourados. No caso de transplantes de órgãos e tecidos que não são realizados no Estado, o paciente é encaminhado para local onde o procedimento pode ser feito.

Neste ano, até o momento, Mato Grosso do Sul já realizou 139 transplantes de córnea e 22 transplantes renais, também foi realizado um transplante de coração – que na ocasião, havia equipe e estabelecimento autorizados. A lista para transplantes é única e vale tanto para os pacientes do SUS (Sistema Único de Saúde) quanto para os da rede privada.

No dia 27 de setembro é comemorado o Dia Nacional de Doação de Órgãos e Tecidos e a intenção é conscientizar a população da importância de ser um doador. Em alusão à data, o mês também é lembrado como Setembro Verde, uma luta para que mais pessoas se tornem doadoras.

De acordo com a legislação brasileira, mesmo com a decisão da pessoa de doar os órgãos, em caso de morte, a palavra final é da família, ou seja, não é possível garantir efetivamente a vontade do doador. Sendo assim, o diálogo com a família e amigos é essencial para que o desejo seja respeitado.

A atitude simples, de informar ser doador, pode salvar inúmeras vidas. É o que garante a coordenadora da Central Estadual de Transplantes – da SES (Secretaria de Estado de Saúde) –, Claire Carmen Miozzo. “O transplante só existe se tiver doação de órgãos e tecidos. Que por sua vez acontece se a família da pessoa que morreu fizer a doação. Na maioria dos casos onde existe a negativa, os familiares dizem que o motivo é não saber se a pessoa era ou não doadora. Se isso fica claro, é conversado antes, a família sempre respeita a vontade e autoriza a doação”.

A aposentada Shelma Zaleski, 58 anos, tem ceratocone – doença que compromete a visão e pode levar a cegueira – e já realizou transplante em um dos olhos há 20 anos. Porém, há três meses voltou à fila de espera para fazer o transplante de córnea no outro olho.

“Recebi o diagnóstico e comecei a usar lentes de contato, porque os óculos não resolviam meu problema. Com o passar do tempo, a visão foi piorando rapidamente, principalmente do olho esquerdo, até culminar na necessidade de um transplante de córnea, que é um dos últimos recursos para o meu caso”.

Ela aguardou por três anos até conseguir fazer o transplante. “A recuperação foi longa, mas satisfatória, passei muito tempo enxergando bem, utilizando a lente somente no olho direito. Mas agora, já faz uns cinco anos, que tenho sentido dificuldade novamente em enxergar. E fui encaminhada novamente para o transplante. Estou esperando, mas não tão ansiosa como da primeira vez”, afirmou Shelma.

Após passar por três transplantes, Josiane fala da importância das doações de órgãos

Josiane Pereira Lima, 45 anos, é funcionária pública e também passou por transplante de córnea devido a ceratocone. “No segundo ano de faculdade eu fui submetida ao primeiro transplante de córnea do olho direito, mas não foi bem-sucedido. E oito anos atrás eu precisei refazer o transplante, porém foi bem mais rápido, em um mês e meio. E depois fiz o do olho esquerdo, e esperei uns seis meses para conseguir doador”.

Submetida a três transplantes, ela afirma que as cirurgias mudaram sua vida. “Eu já estava sem perspectiva de estudar. Eu acho que ia ser muito difícil para mim conseguir retomar a minha vida novamente se não fosse por essas doações. Uma parte importante é que as famílias das pessoas que doam córneas, que doam órgãos, não tem noção da amplitude do benefício que eles fazem na vida de alguém. Porque quando ajudam uma pessoa que é receptora de órgão, estão ajudando a família, todos que estão ao redor”, afirmou Josiane.

Espera

A lista de espera funciona baseada em critérios técnicos, na qual a ordem de pacientes a serem transplantados leva em consideração a tipagem sanguínea, compatibilidade de peso e altura, compatibilidade genética e critérios de gravidade distintos para cada órgão. No caso do cumprimento de forma semelhante pelos pacientes, a ordem cronológica de cadastro, ou seja, a ordem de chegada, funciona como desempate. Pacientes em estado crítico são atendidos com prioridade, em razão de sua condição clínica.

O Brasil, por meio do SUS (Sistema Único de Saúde), tem o maior programa público de transplante do mundo, no qual cerca de 87% dos transplantes de órgãos são feitos com recursos públicos, permitindo que cada vez mais pessoas tenham uma vida melhor. A estrutura é gerenciada pelo Ministério da Saúde, que assegura que cirurgias de alta complexidade sejam realizadas para pacientes da rede pública e privada, em situação de igualdade.

A SES explica que todo o processo de doação de órgãos, desde a captação ao transplante é realizada de forma transparente e é acompanhado pelo Sistema Nacional de Transplantes do Ministério da Saúde.

Para ser um doador, basta conversar com sua família sobre o seu desejo. No Brasil, a doação de órgãos só será feita após a autorização familiar. O Ministério da Saúde explica que existem dois tipos de doador – vivo e falecido. O doador vivo pode ser qualquer pessoa que concorde com a doação, desde que não prejudique a sua própria saúde. Ele pode doar um dos rins, parte do fígado, parte da medula óssea ou parte do pulmão. Pela lei, parentes até o quarto grau e cônjuges podem ser doadores e não parentes, só serão doadores com autorização judicial.

O segundo tipo é o doador falecido, que são pacientes com diagnóstico de morte encefálica, geralmente vítimas de catástrofes cerebrais, como traumatismo craniano ou AVC (derrame cerebral). Os órgãos doados vão para pacientes que necessitam de um transplante e estão aguardando em lista única, definida pela Central de Transplantes da Secretaria de Saúde de cada estado, e controlada pelo Sistema Nacional de Transplantes.

A Central Estadual de Transplante atende 24h por dia pelos telefones (67) 3312-1400 / 3321-8877.

Fonte: Agência de Notícias MS

VÍDEO
PUBLICIDADE
COLUNISTAS
PREVISÃO DO TEMPO
Campo Grande
21°C
46% 0% 5m/s 70deg
PUBLICIDADE​
APOIO
ÚLTIMAS