Ucrânia enfrenta muitos desafios para colocar caças F-16 em combate

Jato é multifuncional, pode fornecer cobertura aérea para tropas, atacar alvos terrestres, enfrentar aviões inimigos e interceptar mísseis, mas há dificuldade para treinar pilotos rapidamente

Após meses de intenso lobby, o presidente ucraniano Volodymyr Zelensky está entusiasmado com a próxima transferência de caças F-16 holandeses, noruegueses e dinamarqueses para a força aérea ucraniana.

Em muitos aspectos, o F-16 fabricado nos EUA é a plataforma ideal para os ucranianos. É multifuncional: pode fornecer cobertura aérea para tropas, atacar alvos terrestres, enfrentar aviões inimigos e interceptar mísseis.

E está disponível: as forças aéreas europeias têm muitos F-16 e estão eliminando gradualmente. Existe um fornecimento imediato de peças sobressalentes; e o F-16 pode operar com uma variedade de sistemas de armas.

A necessidade é crítica, a superioridade aérea russa, especialmente na frente sul, impediu o progresso da contraofensiva ucraniana e infligiu pesadas baixas a essas unidades. Com o armamento certo, os F-16 poderiam dissuadir os caças-bombardeiros russos de se aproximarem do campo de batalha.

Mas o momento em que os F-16 voarão em missões de combate está à mercê de muitas variáveis – programas de treino que só agora serão iniciados, instalação de infraestruturas de apoio, tipo de armamento utilizado. Há um equilíbrio delicado entre a necessidade urgente de por os F-16 nas cores ucranianas e os preparativos minuciosos necessários para aproveitar ao máximo a aeronave.

Depois, há a questão de quantos F-16 fariam diferença no campo de batalha. Dinamarca, Holanda e Noruega comprometeram-se a fornecer à Ucrânia mais de 60 jatos, mas alguns terão de ser utilizados para formação e haverá um ciclo de manutenção.

O coronel Yurii Ihnat, porta-voz da Força Aérea da Ucrânia, acredita que dois esquadrões, cada um com 12 aviões, começariam a virar o jogo. Mas o F-16 nunca enfrentou as defesas aéreas russas no mundo real. É fundamental estabelecer o melhor papel possível para ele.

“A ideia de os F-16 sobrevoarem as linhas de frente e romperem o impasse simplesmente não é viável – é muito perigosa”, disse Mark Cancian, consultor sênior do Centro de Estudos Estratégicos e Internacionais. “As defesas aéreas russas são formidáveis”.

Um caça F-16 pertencente à Força Aérea Holandesa / Piroschka van de Wouw/Reuters

Treinamento rápido

Programas de formação para os primeiros grupos de pilotos ucranianos estão em curso na Dinamarca, na Romênia e nos Estados Unidos. A Grécia também se ofereceu para treinar pilotos. Isso levará mais tempo do que os três ou quatro meses sugeridos em alguns setores para pilotos que não têm experiência em pilotar aviões de combate ocidentais.

Primeiro, há uma grande diferença entre o treinamento básico (decolagem, voo, pouso) e a operação em modo de combate como parte de um grupo de aviões ao alcance das defesas aéreas russas bem entrincheiradas.

Um piloto de F-16 disse à revista militar online “War Zone” que o avião é intuitivo. “Você liga, acelera, você vai e voa. Mas para aprender a combater com ele, para aprender a usar mísseis, levaremos cerca de seis meses”, reconheceu Ihnat.

O ministro da Defesa ucraniano, Oleksii Reznikov, disse que “seis a sete meses é o período mínimo que deve ser seriamente levado em consideração”.

Mesmo esse calendário é ambicioso. Os pilotos ocidentais formados em outros aviões precisam de cerca de nove meses para obter proficiência total – e isso não inclui treinamento para cenários de combate específicos. Além disso, o layout da cabine de um F-16 é muito diferente daquele de um MiG-29 – o jato da era soviética comumente pilotado por pilotos de caça ucranianos.

O presidente ucraniano, Volodymyr Zelenskiy, e a primeira-ministra da Dinamarca, Mette Frederiksen, fotografados sentados em um F-16 / Mads Claus Rasmussen/Ritzau Scanpix/Reuters

 

Além disso, os pilotos necessitariam proficiência na língua inglesa. Ihnat diz que cerca de 30 pilotos da Força Aérea Ucraniana têm inglês adequado, o mínimo absoluto necessário para formar dois esquadrões.

Haveria a tarefa adicional de aprender como operar armas ocidentais, como mísseis para ar avançados de médio alcance (AMRAAMs), capazes de destruir aviões de combate russos à distância. Por outro lado, os pilotos ucranianos adaptaram-se rapidamente ao uso de mísseis antirradiação de alta velocidade ocidentais (HARM) nos seus MiG-29.

De acordo com Cancian, do CSIS, “o problema é que eles precisam fazer a transição para uma aeronave que possui um monte de sistemas que nunca viram antes, além de haver toda uma abordagem de guerra aérea que os EUA e a Otan usam e que os soviéticos não”.

Manutenção pesada

Por mais eficaz que seja, o F-16 exige muito mais manutenção do que um caça médio da era soviética, e isso seria tão desafiador para os ucranianos quanto pilotar a plataforma. Cancian disse à CNN que os F-16 precisam de 16 horas de manutenção por hora de voo. Também é caro voar, o custo é de quase US$ 27 mil por hora de voo.

“Existem dezenas de milhares de peças em um F-16”, disse Cancian, “e esse fluxo tem que ir para a Ucrânia, então quando o avião pousa e você o leva até o hangar e precisa consertar alguma coisa, a peça está disponível”.

Um relatório do Gabinete de Contabilidade Geral dos EUA no ano passado classificou o F-16 como um dos aviões da Força Aérea dos EUA mais difíceis de manter: não tinha cumprido os seus objetivos de missão em nenhum dos 10 anos anteriores.

Um F-16 em angar na Holanda / Piroschka van de Wouw/Reuters

As autoridades dos EUA têm sido cautelosas quanto ao impacto que os F-16 terão na Ucrânia e à escala do treino envolvido.

O general James B. Hecker, comandante das Forças Aéreas dos EUA na Europa, diz que o avião não estará na Ucrânia até o próximo ano. Mas ele disse à mídia que “não será a solução mágica, [que] de repente eles vão começar a derrubar os SA-21 [mísseis terra-ar russos] porque eles têm um F-16”.

Hecker disse que a proficiência real em um número suficiente de aeronaves “pode demorar quatro ou cinco anos”. O secretário da Força Aérea dos EUA, Frank Kendall, repetiu essa avaliação, dizendo que o F-16 “dará aos ucranianos um incremento de capacidades que eles não têm neste momento. Mas não será uma mudança dramática no jogo”.

Forças motivadas

Os ucranianos consideram que uma das principais vantagens do F-16 é o seu potencial para dissuadir o jato de combate mais potente dos russos, o Su-35, cujo lançamento de bombas guiadas teve um impacto negativo nas forças terrestres ucranianas.

O comandante da Força Aérea Ucraniana, Mykola Oleshchuk, disse na semana passada que o sucesso contra o Su-35 forçaria os russos a tirá-lo do alcance, permitindo que a contraofensiva ganhasse velocidade.

É claro que os ucranianos têm surpreendido persistentemente os militares ocidentais com o seu domínio da artilharia de longo alcance, dos sistemas de defesa aérea e dos tanques fornecidos pelas nações da Otan. Kendall disse recentemente: “Acho que nunca vi indivíduos mais motivados, em termos de querer entrar na luta e fazer a diferença”.

Mas a motivação deve estender-se para além dos pilotos, abrangendo uma longa fila de engenheiros e técnicos. A administração Biden tem sido extraordinariamente cuidadosa em não envolver militares ou prestadores de serviços dos EUA no esforço de guerra na Ucrânia, sendo improvável que técnicos dos EUA sejam cotados para o serviço.

Ucrânia pede caçar F-16 para equilibrar poderio militar na guerra / Ezra Acayam/Getty Images

Em vez disso, o sistema de manutenção de teleconferência que ajudou os ucranianos a consertar tantos dos seus sistemas ocidentais será um elo crítico. A Força Aérea Ucraniana tem trabalhado há muito tempo na melhoria e proteção dos aeródromos que acomodariam os F-16.

Os russos priorizaram atingir os complexos de defesa aérea Patriot, sem muita alegria. Os caças F-16 representariam um alvo muito mais tentador – e valioso – através de ataques com mísseis de cruzeiro contra campos de aviação, mísseis terra-ar e outras armas no ar.

Se os russos obtiverem algum sucesso, disse Cancian, os ucranianos e os seus aliados veriam uma narrativa ruim desenrolar-se. “As pessoas reconhecem que se perde equipamento, mas se perder muito rapidamente, de forma muito visível, as pessoas ficam desanimadas”.

A última perda publicamente reconhecida de um F-16 em combate foi um avião israelense abatido pelas defesas aéreas sírias (fornecidas pela Rússia) em fevereiro de 2018.

Os pilotos ucranianos, pilotando uma aeronave desconhecida num espaço aéreo mais fortemente defendido, enfrentarão uma ameaça muito maior das defesas aéreas russas mais avançadas, incluindo o S-400, o mais novo e mais capaz sistema de mísseis terra-ar da Rússia.

Em última análise, esse equipamento valioso não pode ser levado às pressas para o combate. Mesmo que os primeiros F-16 voem em suas primeiras missões de combate na próxima primavera, muita coisa pode ter mudado até então.

VÍDEO
PUBLICIDADE
COLUNISTAS
PREVISÃO DO TEMPO
Campo Grande
9°C
93% 75% 6m/s 130deg
PUBLICIDADE​
APOIO
ÚLTIMAS