Vitrines da proteína animal de MS, Frango Vida e Leitão Vida são apresentados a mestrandos de MT, MG e GO

A força do Mato Grosso do Sul como estado Multiproteína se reflete em números cada vez mais superlativos da avicultura e suinocultura estadual. As políticas públicas do Governo do Estado por meio da Semadesc (Secretaria de Estado de Meio Ambiente, Desenvolvimento. Ciência, Tecnologia e Inovação), como os subprogramas Leitão Vida e Frango Vida de incentivo a produção foram apresentados na manhã desta sexta-feira (01), em Campo Grande, a alunos do Mestrado Profissional do Projeto Rural Sustentável – Cerrado. A Semadesc por meio da Coordenação de Pecuária foi convidada para apresentar as ações realizadas em programas que incentivam a produção sustentável. O mestrado é uma das ações formativas do Programa de Capacitação do projeto Rural Sustentável e acontece em parceria com a Universidade Federal de Lavras/UFLA.

Vitrines de boas práticas com sustentabilidade, os subprogramas Frango Vida e Leitao Vida foram apresentados pelos gestores da Semadesc, medico-veterinário Rubens Flávio de Mello Corrêa no setor de avicultura, e o Leitão Vida pelo gestor de suinocultura Rômulo Gouveia. Nesta segunda edição o mestrado conta com a participação de alunos e alunas de Mato Grosso do Sul, Goiás, Mato Grosso e Minas Gerais. As palestras foram proferidas para alunos e alunas que têm em seus integrantes, técnicos em extensão rural, produtora rural, professoras e gestores públicos.

Gestor de avicultura da Semadesc, Rubens Mello falou sobre o Frango Vida

Segundo o gestor da Semadesc  Rubens Mello, o Frango Vida foi criado em 2022 e visa apoiar a expansão e modernização da avicultura de corte; assegurar e manter a saúde do rebanho e a biossegurança nas instalações avícolas e a regularização ambiental, sanitária, trabalhista e de adoção das boas práticas de produção. “As ações voltadas para incentivar a avicultura já tem 19 anos em MS, mas em 2022 foram reformuladas e ganharam maior direcionamento com o Frango Vida”, enfatizou.

Rômulo Gouveia, Gestor de Suinocultura da Semadesc.

Ele explicou que o subprograma premia os avicultores que cumprem todos os critérios com 32% do ICMS em incentivo, mais 1,5% a cada critério complementar cumprido, totalizando 18%. Todos os critérios obrigatórios e complementares cumpridos = 50% do ICMS em incentivo.

Já o Subprograma Leitão Vida, abordado pelo Gestor em Suínos, Rômulo de Fretias Gouveia Júnior, visa expandir a suinocultura de forma moderna, competitiva e sustentável, com capacidade para atender aos mercados mais exigentes, e assim participar, efetivamente, do processo de capitalização do setor.

O subprograma também premia a eficiência e a eficácia do suinocultor, com incentivo financeiro, bem como a produzir suínos para alimentação familiar e a gerar renda por meio da agroindústria, a assegurar e manter a saúde do rebanho, inclusive o status sanitário de zona livre da Peste Suína Clássica, e a apoiar ações para a regularização das granjas suinícolas, para obtenção de licenciamento no órgão ambiental. “Hoje temos mais e 105 mil matrizes de suínos e devemos chegar  2026 com 150 mil animais”, salientou Gouveia.

As ações geraram grande interesse nos alunos principalmente ns questoes de avanços em sustentabilidade como a produção de biogás a partir de dejetos de suínos, e de biometano.

 

Fotos – Mairinco de Pauda

Fonte

VÍDEO
PUBLICIDADE
COLUNISTAS
PREVISÃO DO TEMPO
Campo Grande
9°C
93% 75% 6m/s 140deg
PUBLICIDADE​
APOIO
ÚLTIMAS